Você está aqui
Página Inicial > Carnaval 2017 > Leia a Sinopse da Academicos do Tucuruvi

Leia a Sinopse da Academicos do Tucuruvi

Compartilhe:

G.R.C.S.E.S. ACADÊMICOS DO TUCURUVI
CARNAVAL 2018
ENREDO: UMA NOITE NO MUSEU
PRESIDENTE: HUSSEIN ABDO ELSELAM – SEU JAMIL
CARNAVALESCO: FLÁVIO CAMPELLO

Foto: Renato Cipriano

 

I – SINOPSE DO ENREDO:

“Alguns homens são grandes, outros tem a grandeza imposta a eles.”

Senhoras e senhores… é permitido gravar e tirar fotos, acompanhem o nosso guia com atenção, vibrem e se divirtam com personagens imortais, brincar e aprender é preciso, não toque nas obras de arte, transformem-se nelas, inspirem-se, e sigam esta divertida aventura pelo Anhembi com um sorriso no rosto e imensa alegria.
Esta noite iremos passear por galerias de um museu a céu aberto, um museu único e inigualável que apenas hoje terá sua exposição aberta ao público.
Tenham dúvidas, perguntem, sejam curiosos, questionem, pois seria verdade que a arte imita a vida? Ou seria a vida a imitar a arte? Descubram.
Saibam que o termo “Museu” tem suas origens no templo das nove musas da mitologia grega, filhas de Zeus e Mnemosine, a memória. Eram elas: Calíope, a de bela voz, a Musa da Eloquência; Clio, a proclamadora, a Musa da História; Erato, a amável, a Musa da Poesia Lírica; Euterpe, a doadora de prazeres, a Musa da Música; Melpômene, a poetisa, a Musa da Tragédia; Polímnia, a de muitos hinos, a Musa da Música Sacra; Tália, a que faz brotar flores, a Musa da Comédia; Terpsícore, a rodopiante, a Musa da Dança e Urânia, a celestial, a Musa da Astronomia. Com o passar do tempo as musas se tornaram imagens ligadas às artes. Elas viviam em um templo que se chamava Museion, que futuramente deu origem a palavra Museu.
E se um templo dedicado às artes, fosse erguido para a eternidade?
E se este templo destinado a guardar a história e os segredos da humanidade ganhasse vida? Como num filme, onde uma placa mágica dá vida a história, trazendo de volta vestígios de Eras e Civilizações.  De forma brincalhona e ao mesmo tempo cultural, um irreverente e divertido passeio, salpicado de bom humor e ao mesmo tempo mesclado de histórias de paixão.
Senhoras e senhores, bem-vindo à Uma Noite No Museu!!!

PRIMEIRA GALERIA: O ESPLENDOR DE ALEXANDRIA –  MOUSEION: O REFÚGIO DAS MUSAS, BERÇO DA SABEDORIA E DO CONHECIMENTO

“A História é vital para a formação da cidadania porque nos mostra que para compreender o que está acontecendo no presente é preciso entender quais foram os caminhos percorridos pela sociedade. ”
 
Era uma vez, uma terra onde o tempo parou para ver as maravilhas da humanidade. Com isso, despertava o sábio desejo de proteger a História. Era o tempo dos Deuses e Semideuses, e dos seus representantes na terra, era uma época onde a prosperidade e a sabedoria se guardavam em um só instante. Uma Era em que a humanidade entendia o valor e a importância da história, protegendo-a para gerações futuras, ao longo dos séculos… Era o tempo de aprender com o passado!!!
E se a bela Cleópatra fosse feia, desdentada e descabelada?  E se Marco Antônio fosse gordinho, baixinho e feio? E se as múmias do antigo Egito e seus tesouros não fossem mais do que meros relatos históricos? Confuso, não? Como saberíamos?
As ampulhetas estavam imortalizadas, congeladas e preparadas para rasgar as barreiras do imortal através da preservação.
Ergue-se perante aos olhos milenares daqueles que não viveram sua época, mas testemunharam o seu legado, os imortais segredos da cidade de Alexandria.
Entre livros e pergaminhos, os segredos de um legado engalanado, e como mágica, o Grande Farol ilumina novamente através das mentes e dos olhares curiosos, enquanto os imortais templos despertam a curiosidade de todos através de seus monumentos que mesmo imóveis dizem ter uma história a contar…
Mesmo que estas histórias passem pelos escândalos da antiguidade, que entre muitos envolvem, traições, desejos, e atos questionáveis ainda hoje pela sociedade.
Além da grande biblioteca em todo o complexo cultural da Humanidade, um Grande Museu se erguia majestoso em suas galerias, local onde os que ali frequentavam, vinham buscando suas inspirações artísticas, científicas e filosóficas. Na Era dos Deuses, emoldurados pelas areias do deserto e recobertos com o ouro de grandes conquistas, o conhecimento era fundamental e a preservação deste conhecimento e a história eram fundamentais, numa das maiores civilizações que o mundo já viu …
A história foi preservada…

SEGUNDA GALERIA: MUSEUS DE BELAS ARTES, DE ARTES BELAS…

“Seja pelo sorriso de Mona Lisa ou pela vontade de visitar um imortal jardim, seja pelos livros de história ou pela simples vontade de voar nas asas da imaginação de artistas a frente de seu tempo, seja ousadia, seja textura, seja emoção… seja a arte dentro de você, mas acima de tudo não busque julgar a arte, basta sentir a emoção de sua criação.”

Berço de grandes pensadores, a Grécia Antiga ganha vida novamente, e nem mesmo seus Deuses eram capazes de imaginar que tamanha apreciação pela arte seriam imortalizadas e mais tardes redescobertas. Fato é que a mistura da cultura Grega e Romana deu ao mundo um dos mais belos acervos artísticos já registrados.
Na antiga Babilônia, a arte estava muito além de pinturas e pequenos artefatos. Toda a cidade era um grande monumento artístico, de seus portões monumentais constituídos por oito portas que davam acesso a cidade aos milenares Jardins Suspensos que até hoje excitam a imaginação, toda a forma de artes, à imagem e semelhança do seu Imperador Nabucodonosor.
Com tantas expressões de arte, Apolo um dos Deuses do Parthenon, conhecido por sua beleza e juventude, não poderia ficar de fora, imortalizado entre pinturas e estátuas de mármore, possuía inúmeros templos sobe sua guarda. Era amante das artes levava consigo uma lira que ao tocar trazias os raios de sol e a esperança de um novo dia a seus seguidores.
Bordada no romantismo a arte Gótica, entra em cena na mais deslumbrante e imponente representatividade, com seus traços acima do céu, se faz representar com conteúdo singular. Seus Portais e estruturas, inspiram artistas por séculos, principalmente na arquitetura.
O mundo girava e as civilizações prosperavam. Após um período obscuro, a arte ganha novamente valor, a humanização e a redescoberta do bom gosto e da classe artística chamam a atenção: era o Renascimento. Período de grandes pintores e escultores, onde os estudos levariam a humanidade a um patamar literário jamais visto e grandes invenções e geringonças chegam a planilhas e tentativas e acerto através de oficinas escondidas do clero, e com ele o enigmático e emblemático sorriso da Monalisa.
A Art Nouveau, mudou a arquitetura, foi um estilo internacional de artes decorativas. Art nouveau, que em Francês quer dizer Arte Nova, foi muito popular na Europa, mas despertou admiradores mundo a fora, mudando o conceito de paisagens urbanas e decoração.
Revoluções marcam as páginas da História, e influencia também as artes. É preciso modernizar-se! Eis que surge o Movimento Modernista, influenciando a forma de pintar, esculpir, escrever, construir, evoluir… O Cubismo surge mudando os traços das artes, dando vida, cores, formas… Atualmente um grande artista pernambucano ganhou o mundo com suas telas e obras de arte marcantes: Ode à Romero Brito!
Nenhum ambiente estaria mais próximo de conservar e brincar com a curiosidade humana em relação aos estilos de arte do que o Museu do Louvre, em Paris. Um palácio predestinado a ser o guardião eterno das grandes obras e dos grandes momentos da humanidade, foi quando a corte do Rei Sol se acomodou no palácio de Versalhes que o predestinado Palácio do Louvre servia de moradia a artistas, nobres e intelectuais que apresentaram ao Rei um projeto de um Museu. Mas foi na Revolução Francesa que a grande galeria foi aberta ao público. Louvre de grandes histórias e grandes amores, admirado e incentivando por Napoleão, ainda hoje é um monumento de inspiração, de conhecimento e de lazer. Um grande Templo Guardião das Artes!

TERCEIRA GALERIA: MUSEUS DE HISTÓRIA E CIÊNCIAS NATURAIS…

“Não basta apenas saber que a milhões de anos, seres gigantes caminharam sobre a terra, é preciso ser criança e imaginar estas incríveis criaturas ainda vivas, não basta saber que o homem um dia deixou o planeta Terra é preciso fechar os olhos e imaginar uma nave espacial rumo ao infinito…”

A Paleontologia, nos leva à épocas remotas, com grandes esqueletos de gigantes e misteriosos dinossauros.
A Arqueologia nos revela antigas civilizações, nas Américas, os Maias, os Incas e os Astecas deixaram um legado a ser admirado, peças de raro valor, e esplendorosas peças de ouro e prata, e Templos dedicados aos Deuses nos quais eles acreditavam, e celebravam suas crenças com rituais de valores inestimáveis.
Na Botânica, coleções de orquídeas a seduzir a humanidade. No oriente o Bonsai é uma arte milenar de cultivo de pequenas árvores, algumas frutíferas, sua exposição atrai olhares curiosos e dedicados a manter a tradição. Grandes Jardins Botânicos surgem com a arte de valorizar, preservar e conhecer a natureza, numa exuberância de cores, aromas e beleza.
A vida que gera a vida, de um ponto da escuridão, uma grande explosão da formação da poeira cósmica ao montante de rochas que através da atmosfera resfriaram e deram a um pequeno planeta a chance de um ambiente inigualável, e do fundo dos oceanos eis que surge a vida… Seres abssais, peixes, mamíferos aquáticos, uma mistura de cores e formas das mais variadas, dos lindos animais aos bizarros e estranhos seres das profundezas, uma coleção viva ainda em exposição nos rios, lagos e oceanos que merecem ser tratados com carinho e cuidado, uma exposição das mais frágeis e que ainda tem muito a nos contar.
A Biodiversidade se faz presente com a missão de mostrar ao público os mistérios da vida, através dos seres vivos, vertebrados e invertebrados, mamíferos, répteis, aves, insetos… O Espetáculo da Vida encanta a todos nas salas dos museus! Um diorama criam cenários para mostrar a fauna rica em exemplares, a serem contemplados.
Se da terra viemos ao espaço chegamos, e o pequeno passo de um homem se tornou um grande passo para a humanidade. A conquista espacial, nos leva a sonhos e delírios, da chegada à lua aos dias de hoje muita coisa mudou, muito descobrimos e muito conhecemos, aplausos às Missões Apollo que levaram ao infinito grandes e corajosos guerreiros, e abriam alas para satélites e telescópios que trazem imagens que jamais sonharíamos em ver e cores que bailam em poesia nos céus enquanto daqui de baixo, poetas apaixonados fazem suas eternas serenatas tendo o brilho das estrelas como cenário mágico e inconfundível, e em sintonia com o sinal enviado por maquinas e computadores que hoje estão em órbita , podemos dar aquela espiadinha na vida alheia, saber quem esta com quem e o melhor achar que não somos peças observáveis. Afinal a grama do vizinho é sempre melhor de se admirar.
Os Museus de História e Ciências Naturais, são verdadeiros templos atemporais. Um lugar onde o passado se funde com o futuro. Crianças se divertem ao verem de perto fósseis daqueles que um dia foram predominantes e reinantes na terra. A imaginação ganha vida e a viagem no tempo tem início, do passado ao futuro, são detentores imortais dos portões da curiosidade e da verdade, navegam rumo ao saber, trazendo aos olhos da humanidade a verdadeira obra de arte chamada vida. Vida esta criada pelo Arquiteto do Universo, mostrando a todos que a mesma está sempre em mutação, e que a evolução é um caminho natural no qual todos participamos: A grande metamorfose da vida! A continuação que nunca tem fim, a evolução que nos aguarda querendo ou não.

QUARTA GALERIA: MUSEUS BIZARROS…

“Nem tudo são flores, e nem todas as coisas criadas pela humanidade são belas, é preciso sensibilidade, para entender e admirar objetos e fatos da história que nem sempre são agradáveis aos olhos, mas que servem de lição para que atos, crimes ou situações não voltem a ocorrer…”

Em nome do Pai e do Filho, as páginas da história nos levam a Santa Inquisição. Período sombrio, onde discordar ou pensar além, levava à morte. Desperta aos olhos da Humanidade, em Amsterdam, na Holanda, o Museu da Tortura, onde é possível ver de perto instrumentos, estátuas de cera e ilustrações antigas de como eram tratados aqueles que iam contra as Sagradas Ideologias.
Um ambiente perturbador e curioso do Museu dos Warren, também conhecido como o Museu do Ocultismo, o único oficial no mundo, onde em sua coleção, nada mais nada menos, encontram-se peças assombradas e usadas em rituais macabros. Vale destacar, no seu acervo, a real boneca Annabelle que inspirou um filme de terror; um espelho usado para conjurar espíritos; e um caixão que teria sido usado por um vampiro de verdade… Dá para acreditar?
Se presenciar ou pensar na morte já dá calafrios, imagina um museu dedicado totalmente a ela?  Esse lugar existe e está situado em Palermo, na Itália.  Este bizarro acervo em exposição, nos deparamos com mais de oito mil corpos mumificados expostos ao público, entre eles crianças e ossadas de religiosos…
O Museu de Criptozoologia, nos faz refletir se os seres que encontramos apenas nos livros de estórias, mitologias e lendas não são reais… Em Portland, nos Estados Unidos da América encontramos um desses museus, que nos apresenta um mundo desconhecido e misterioso… Afinal quem nunca se deparou com as estórias do Pé Grande, do Monstro do Lago Ness, e até mesmo do Chupa-Cabra e do brasileiríssimo Mapinguari…
Estaríamos sozinhos no universo? A quem garanta que não, e ainda dedique um museu aos extraterrestres. É o caso do museu do “Ufo Museum” localizado em Roswell, onde relatos, e imagens desenham a famosa aparição (queda de um OVNI) em julho de 1947 no Novo México, caso negado ainda hoje pelo Governo Americano, dentre outras peças e joias da Ufologia Mundial.
Timidamente e longe dos circuitos de grandes museus em Paris, desponta o Museu da Magia, dedicado a preservar e a guardar peças como a primeira caixa do famoso truque de cortar a mulher ao meio. É detentor de objetos de ilusionismo e da bizarra e antiga mágica, porém é também incluso em um setor cultural e pedagógico.
O Museu de Cera de Madame Tussauds, é um dos mais curiosos e bizarros da história, retrata fielmente imagens de personalidades e celebridades mundialmente conhecidas, algumas delas já mortas, mas tamanha é a perfeição que é possível confundir com o famoso ainda vivo. O museu principal está em Londres, mas possui mais treze filiais espalhadas pelo mundo.
Alguns museus por mais bizarros e estranhos que sejam, são verdadeiras lições de vida, nos mostram como realmente somos e do que somos capazes e o mais importante: o que precisamos evitar ser!

 

QUINTA GALERIA: O BRASIL ABRE AS CORTINAS DO PASSADO E APRESENTA: O AMANHÃ!

“Um jovem País ainda a se descobrir, guarda em seus porões uma rica história, quase um conto de fadas, de Reis, Rainhas, e um povo sofrido e esperançoso em busca de sua fada madrinha por um final feliz que ainda está por vir…”

E quem disse que aquela gente festeira do sul das Américas não preservaria suas origens, histórias e costumes? Afinal de contas este povo debochado, alegre e irreverente, que faz de seu sorriso a moldura do seu traço cultural e recebe e ampara a todos, também tem muito o que apresentar, com um molejo irregular e detentores das chaves da alegria, este povo abre os portões de um museu chamado Brasil e exibe ao mundo uma mostra do seu gingado, de sua genuína cultura e arte de viver em plena felicidade…
Aos “Primeiros Donos da Terra” é dedicado o Museu do Índio, idealizado pela Funai. O museu guarda a cultura indígena e revela o aspecto da diversidade existente entre as várias tribos catalogadas, é um exemplo ao respeito, à cultura e à tradição Indígena Brasileira.
Na ginga de uma portuguesa de corpo e de alma brasileira, que disseram ter se americanizado, assim surge com muito “tica tica bum chic”, o Museu Carmem Miranda, é dedicado aos inúmeros fãs da famosa estrela. Com um acervo de mais de três mil itens, o museu revela não apenas o brilho da artista, mostra às novas gerações toda a pompa e glamour de uma época cinematográfica, ainda hoje guardada na memória de alguns…
Em terras paulistanas, o maior guardião da Língua Portuguesa impõe sua majestade… Nem mesmo as chamas foram capazes de calar a voz deste que é um misto de clássico com o moderno: eterno Museu da Língua Portuguesa. Em seu acervo a literatura é aliada a tecnologia e o contemporâneo sede espaço ao idioma que dá vida a versos e poemas. A imortal Língua que faz o sol brilhar eternamente, o idioma que veio com as caravelas, nos versos dos Trovadores, e se abrasileirou com a mistura de raças, tem um valor estimado bem no coração de São Paulo onde todos se encontram, e mesmo com a correria do dia a dia, sempre encontram um espaço, bem ali na Estação da Luz.
Um espaço cultural espalhado pelo Brasil, o Museu da Imagem e do Som, preserva o cotidiano, histórias e passagens nas quais as lembranças florescem no despertar de um novo sentimento, seja através da música, do cinema, da televisão, do teatro, imortalizando e eternizando a imagem e o som.
Com tanta arte e tanta cultura, ditos e ditados, e histórias sem fim, personagens que povoam o imaginário Brasileiro e dos quatro cantos de uma vasta terra surgem inúmeros Museus do Folclore, cada um com suas características regionais e cada um com sua primordial missão… manter viva a tradição Brasileira, do Oiapoque ao Chuí. Em uma terra onde Saci guarda a mata e Mula sem cabeça cospe fogo, é bem normal crianças povoarem seu imaginário com personagens de um belo e emocionante folclore. E nos quatro cantos do País, nos deparamos com Museus do Folclore, transformando em arte, as manifestações e expressões da cultura do povo brasileiro.
Das arquibancadas dos estádios para grandes salões, a bola rola e o mundo vibra com o Brasil, o Museu do Futebol aplaude aqueles que fizeram do futebol, a sua vida, dos pequenos sonhos de meninos ao grandes holofotes mundiais, driblando todas as adversidades o gol de placa é marcado no esporte.
Com muito ritmo o Museu do Samba oferece a singular obra criada pelo brasileiro, com muita ginga, é detentor do acervo musical mais feliz do mundo. Lá é possível ler e ouvir relatos dos protagonistas desta criação “tupiniquim” que encantou o mundo. O maior acervo sambístico está ali e hoje recebe os aplausos, salve o Brasil Brasileiro, o eterno mulato inzoneiro, de tantos carnavais, salve “o Brasil que samba e que dá”, de tantas artes e tantos estilos, salve seus artistas, pintores e escritores, salve seus poetas e seus heróis, que vivem em um País que é um eterno Museu de Grandes Novidades.
E se a novidade é a palavra chave para um novo amanhã, baila com orgulho no coração dos Brasileiros o guardião do nosso futuro. O Museu do Amanhã preserva com graça e estilo, e o modernismo brasileiro pede passagem para contar às próximas gerações sonhadoras o legado de uma gente varonil, para deixar claro ao mundo que mesmo com todos os problemas existentes no Brasil acreditamos num novo amanhecer…
Afinal de contas com muito bom humor o melhor do Brasil é o Brasileiro.  Senhoras e senhores nosso passeio se encerra aqui, e esperamos que todos tenham gostado, e obrigado por: Uma Noite no Museu!

Flávio Campello – Autor do Enredo e Carnavalesco
Felipe Diniz Marinho – Autor do Enredo, Colaboração, Pesquisa e Revisão

Compartilhe:

Comente este notícia

Top