Você está aqui
Página Inicial > Grupo Especial do Rio > Beija-flor > Louzada e Mocidade Independente fazem um reencontro para mudar a história

Louzada e Mocidade Independente fazem um reencontro para mudar a história

Compartilhe:

Por Kaio Sagaz

Depois de uma passagem decepcionante pela Mocidade independente de Padre Miguel, Alexandre Louzada tem a grande chance de se redimir. Na última vez como carnavalesco da escola, os resultados não foram dos melhores. Em 2012, sua estreia na verde e branco, amargou um 9º lugar com o enredo “Por ti, Portinari, rompendo a tela, a realidade”. Já no ano seguinte, com o tema “Eu vou de Mocidade com samba e Rock’in Rio por um mundo melhor”, o golpe foi ainda mais fatal: 11º posição.

Carro Abre-Alas da Mocidade, em 2012, com a escultura belíssima de Portinari.
Carro Abre-Alas da Mocidade, em 2012, com a escultura belíssima de Portinari

Com esse passado desanimador na escola, não se esperava um retorno tão rápido de Louzada à Zona Oeste. Isso se deveu a sua recuperação e volta por cima, o que era de se imaginar de um carnavalesco com 30 anos de assinaturas de enredos e cinco títulos no Sambódromo carioca.

O primeiro foi com a Mangueira, em 1998, num ano fantástico, a verde e rosa reverenciou Chico Buarque e dividiu o primeiro lugar com a Beija-Flor. Já em 2006, na Vila Isabel, muitas discussões e um enredo muito contestado por integrantes da agremiação. “Soy loco por ti América, a Vila canta a latinidade” foi ovacionado e ganhou esmagando a concorrência, depois de um jejum de 18 anos sem títulos da escola de Noel.

Último carro da Vila Isabel, em 2006, destacando Simon Bolívar. Jejum já durava 18 anos.
Último carro da Vila Isabel, em 2006, destacando Simon Bolívar. Jejum já durava 18 anos

Sua história com a Beija-Flor foi mais intensa, foram 3 conquistas: 2007 (“Áfricas: do berço real à corte brasileira”), 2008 (“Macapaba”) e 2011 (“Roberto Carlos: simplicidade de um rei”). Lá, dividindo as funções com Laíla, Fransérgio e Ubiratan Silva, a relação se desgastou e Louzada resolveu partir em carreira solo.

Nos últimos dois anos, o carnavalesco esteve à frente da Portela, escola que estreou assinando seu primeiro desfile, em 1985. Esse retorno fez muito bem para ambos. A Portela voltou a ter a marca respeitada e se mostrou candidata a títulos e Louzada arrematou o coração do público com a Águia Redentora, o carro mais belo do carnaval deste ano. Em 2014 e 2015 a Azul e Branco de Madureira esteve perto de levar a taça e marcou presença no desfile das campeãs.

Águia Redentora, da Portela. Um dos mais belos carros da história do carnaval.
Águia Redentora, da Portela. Um dos mais belos carros da história do carnaval.

 

Por meio de redes sociais, o carnavalesco se manifestou com entusiasmo e felicidade em ter mais uma oportunidade na verde e branco de Padre Miguel e assinar o enredo da escola, em 2016:

– “Estarei de corpo e alma, com a mesma lealdade de cada um independente, pronto para lutar lado a lado pela nossa escola. Quero agradecer ao senhor Rogério Andrade (Patrono da escola) e sua diretoria pela gentileza com a qual fui recebido e aos demais que me deram boas vindas, ou melhor, um bom retorno e externar a minha felicidade! Obrigado bateria Não existe mais quente, a velha guarda, as baianas e torcida independente. Não sou de garantir resultado, sou de prometer trabalho” completou.

Desta vez, Louzada terá a companhia de Edson Pereira como diretor artístico. Edson fez um belíssimo desfile, em 2015, como carnavalesco da Unidos de Padre Miguel, conquistando o vice-campeonato no Grupo A (antigo Grupo de Acesso). Sobre essa parceria, o novo carnavalesco da Mocidade fez muitos elogios e exaltou a união:

– “Terei o auxílio luxuoso de um grande artista, o Edson Pereira, como diretor artístico. Declaro que são apenas rótulos, somos amigos e parceiros com o mesmo objetivo, uma mesma missão, que é buscar o nosso melhor para o brilho da estrela maior: a Mocidade Independente de Padre Miguel e sua apaixonada comunidade.”, concluiu Louzada.

Para 2016, Alexandre Louzada terá dois desafios: manter a fama de competidor forte e a de dar alegrias à Mocidade. A escola não se sagra campeã desde 1996, completará 20 anos sem títulos. Nada como um bom reencontro, com tranquilidade e confiança para o sucesso acontecer.

Carro abre-alas, 1996, Criador e Criatura. Último título da Mocidade.
Carro abre-alas, 1996, Criador e Criatura. Último título da Mocidade
Compartilhe:

Comente este notícia

Top